terça-feira, agosto 18, 2009

O mantra da gentileza

Este fim-de-semana, troquei uns mails com a Cristianne Fetter, do blog Tô doida, motivadas pelo post em que eu disponibilizei o link da matéria sobre gentileza e para a qual que dei alguns depoimentos.

Ela, então, emocionada com um texto que lhe enviei depois sobre a história de um homem que teve a vida salva duas vezes pela mesma pessoa graças à gentileza de ambos, me mandou uma deliciosa historinha que pedi para dividir aqui com vocês:

É como nós pensamos, não custa nada ser gentil. Deixa eu te contar uma coisa engraçada. Quando eu morava no Rio de Janeiro, num prédio na zona nobre, e tinha que ir diariamente de carro para o trabalho, era um custo sair do prédio porque pela manhã minha rua ficava muito movimentada e até mesmo engarrafada.

Eu esperava pacientemente que alguém fizesse a gentileza de me deixar passar e, tão logo isso acontecia, eu agradecia à pessoa e ia recitando um mantra assim: preciso fazer algo de bom para alguém em retribuição à gentileza que recebi.

E ia repetindo, repetindo até que surgisse a oportunidade. Eu me sentia em dívida com o universo que havia possibilitado que alguém fosse bom comigo e só pensava em retribuir.

O mantra da Cris me lembrou o post que fiz há algum tempo, sobre o filme A corrente do bem (leia aqui).

Recebeu um favor, uma gentileza, um afago? Retribua ajudando um amigo, um desconhecido, um vizinho, um amor. Seja quem for! Passemos adiante o que há de melhor em nós e quem sabe não estaremos contribuindo para disseminar mais amor, mais afeto, mais generosidade por aí.

E viva a Cris!

PS: Quem quiser ler o texto citado acima, é só deixar um recado aqui, incluindo o mail, que eu envio.