sábado, outubro 20, 2012

Devagar se vai longe....


Esta semana, um esquecimento do meu filho me trouxe uma reflexão sobre a diferença entre morar numa cidade grande e uma cidade não tão grande assim.

Chegando a porta da escola, ele lembrou que era dia de usar camisa esportiva. Eu disse a ele: "vai pra aula que eu volto em casa e trago pra você". Voltei, deixei o cachorrinho no jardim, empacotei a camisa, coloquei no cestinho da minha bicicleta e em menos de 10 minutos estava na diretoria da escola entregando a camisa autografada do Fluminense.

Aproveitei o embalo e parti para minha bicicletada do dia, hábito adquirido há três meses, desde que viemos morar num bairro residencial que, em poucas palavras, significa pouco comércio e, consequentemente, pouca circulação de carros.

E eu, que sempre dizia ser uma viciada em respirar gás carbônico das cidades grandes, me descubro a cada dia uma pessoa mais feliz em estar longe dos arranha-céus, do trânsito pesado, das multidões, das filas pra tudo. Do excesso.

Pedalo e a cada dia faço laços simpáticos com quem passa pelo meu caminho. O coroa gente boa que dirige a Harley e sempre que passa por mim me cumprimenta com sinal de paz e amor. O outro tatuado, jeitão de ex-frequentador de Woodstock, que sempre oferece um sorriso bonachão.  A grávida cada dia mais grávida. O bebê no carrinho que só faz crescer e ficar mais lindo e gorduchinho.

E assim, de pequenos acenos e frases curtas, vou traçando meu dia-a-dia como parte desta comunidade. Não sou mais um rosto estranho numa multidão cada vez mais apressada ou absorvida intensamente em seus smartphones. Os vizinhos param para falar comigo (e olha que não estamos confinados no mesmo elevador!), todos conhecem meu cachorrinho pelo nome e mesmo antes de entrar correndo no carro para ir trabalhar, eles têm tempo para uma festinha, para um afago.

A vida passa mais devagar. E neste espaço de tempo há tempo para um tanto mais de hábitos que, sem dúvida nenhuma, tornam a vida mais acolhedora.

Pensando nisto lembrei de alguns florais para quem se ressente dos excessos da vida urbana.

Corn – para os  que se sentem perdidos e desenraizados nos ambientes superpovoados.

Dill - cansado do ritmo veloz das cidades grandes? Sente-se sobrecarregado dos excessos? Este é o floral para você.

Indian Pink – indicado quando a pessoa sente necessidade de criar paz interior em meio ao caos e a intensidade dos grandes centros.

Yarrow – o ritmo frenético faz você chegar exausto ao fim do dia?

Yarrow Special Formula – excelente protectão para a poluição e a desarmonia ambiental.


Ah! E ainda consigo espalhar minhas Word Rocks (clique aqui para conhecer nosso projeto) na paz.