sábado, dezembro 21, 2013

Vida curta aos haters!


Acompanho com interesse o efeito das redes sociais na vida das pessoas. Assim como as relações se modificam, novos representantes destas relações surgem. Os haters são alguns deles. Sempre li sobre estas personalidades que se aproveitam do anonimato (ou da proteção virtual) para destilar comentários negativos, ofensivos, agressivos. 

Muitas vezes, acompanhando alguma discussão na Internet, me deparei com haters colocando opiniões terríveis e que, sem dúvida, devem oprimir, deprimir o alvo deste ódio.

Esta semana, fui vítima de um. De leve, se comparado ao que já li por aí. Mas que me colocou pra refletir.


Ao atualizar minha conta do Word Rocks no Instagram (word_rocks), postei a foto de uma 
Pedra deixada com a gorjeta!
@wordrock que deixei para uma garçonete esta semana, além da gorjeta, claro. 

Pois o sujeito, uma garçom também, olhou esta foto isoladamente (pois se tivesse se dado ao trabalho de checar o perfil completo, entenderia a proposta do projeto) e comentou que eu deveria ficar com a pedra já que para ele só interessa dinheiro (cash). Ao responder, argumentando que nem todos são desagradáveis como ele, recebi uma chuva de mensagens com palavrões e argumentos tão baixos quanto.

Deixei pra lá. Não vou alimentar o ódio de quem não está aí para nada mas apenas para criar confusão.

Mas pensei muito no floral Holly, de Bach. Esta essência é indicada para qualquer tipo de preconceito pois abre o coração à verdadeira compaixão humana, estimulando um lindo sentimento de conexão com os outros.

Sim, ao invés de odiar, deixar comentários negativos, depreciar os outros, julgar superficialmente, o mundo realmente precisa de mais amor, compaixão, respeito.

Vida curta aos haters!