sábado, fevereiro 22, 2014

Tchau, primo.

Foi um mail hoje às cinco e meia da manhã que me trouxe a notícia meio truncada. Ainda zonza de sono, e querendo acreditar que era apenas um mal entendido, liguei para a casa dos meus pais. Papai me confirmou: meu primo Álvaro, de 40 anos, foi-se nesta madrugada. O coração falhou.

O mais velho de quatro meninos (sim, meus primos mais novos serão sempre meninos aos meus olhos), filho dos meus queridos tia Claudia e tio Roberto. Tio do Pedrinho. Um pouco dono do Fred, o  buldogue francês dos pais.

Adorava samba. Praia. E despediu-se em pleno fevereiro de carnaval.

A vida dá estas voltas. O coração da gente também pára por uns segundos. Para em seguida congelar de dor por um tempo indeterminado.

E pra quem, como eu e minha família, está neste estado em que a alma fica dormente sem prazo pra acabar, algumas gotinhas de Borage (leia mais aqui) podem aliviar.

Tchau, primo. Está todo mundo aqui já com saudades de você.